Moda e Tendências

Conheça a história do tie dye

2 Mins read

O tie dye, técnica milenar de tingimento de roupas, é apontado pelas passarelas e especialistas como uma forte tendência. Símbolo de liberdade e revoluções sociais, o tingimento artesanal teve sua origem em um contexto cultural completamente diferente.

A história
Originalmente desenvolvida pelos japoneses no século VI e século VII, a técnica era conhecida no Japão como shibori. O tingimento era bastante realizado tanto pelos asiáticos, quanto pelos africanos e indianos (Bandhani) para incorporar aos tecidos as formas orgânicas de cores combinadas.

O nome tie dye foi incorporado para técnica somente nas décadas de 60 e 70, quando começou a aparecer no ocidente. A nomenclatura em inglês significa “amarrar e tingir”. Na época, a técnica ficou famosa por ser fortemente adotada e adaptada pela comunidade hippie, que era vista utilizando camisas, calças e acessórios como cangas em movimentos e festivais nos Estados Unidos. Seu status, na época, era de u elemento estético que representava a liberdade. O visual conquistou músicos como John Sebastian, Janis Joplin e Joe Cocker.

Em meados da década de 90, o tie dye foi resgatado pelos clubbers em seu estilo de vida noturno. A abundância de cores em uma peça só era o ideal, então a técnica caiu como uma luva – mas a importância mora no resgate das roupas. Seja pelo atual contexto político-econômico no qual estamos inseridos atualmente, ou pela demanda cada vez maior de itens personalizados e exclusivos, a antiga técnica de tingimento volta a aparecer como forte tendência.

Movidos pela nostalgia noventista que predomina em boa parte da moda atual, o estilo clubber também aparece em alta como a promessa da vez.

A técnica tie-dye

Devido a sua popularização, a indústria da moda desenvolveu diversas técnicas para produzir o tie dye em larga escala. Basicamente os desenhos são produzidos aleatoriamente através do tingimento do tecido com partes protegidas do contato com a tinta.

Antes do tingimento, é feito um preparo do tecido para se conseguir os efeitos de degradê, contanto com a ajuda de barbante ou cordas, que são enrolados e amarrados fortemente nas partes que não devem ser tingidas.

Normalmente, as cores ficam em formato espiral, mas também há a possibilidade de chegar em formatos, como manchas, esfumaçados e listras, entre outros.

Fonte: notthesamo

Você também pode gostar
Teatro

Show de Stand up - Marcelo Marrom “Testando”no Hillarius Comedy Bar

O humorista Marcelo Marrom apresenta seu novo show “Testando Piadas para o meu Novo Solo”. Marcelo Marrom – Testando Única apresentação: 10 de Julho (Domingo)…
Teatro

João Pimenta no “Pimentaverso” no Hillarius Comedy Bar

João Pimenta reúne suas referências, vivência de um negro periférico e suas histórias mais mirabolantes, no seu primeiro solo de Stand Up Comedy. Passando pelo…
Teatro

Maurício Dollenz em “One Man Show” no Hillarius Comedy Bar

O fantástico mágico chileno Mauricio Dollenz traz a São Paulo o seu espetáculo “One Man show”. Uma apresentação que vai além do stand up comedy…

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *